23.8.16

O grande assalto | Podcast

"[...] uma guerra silenciosa que está perto a de se tornar bastante visível... e muito esculhambada."

Gente, eu não faço a menor ideia se vocês já ouviram falar do Jovem Nerd ou do NerdCast, pra falar a verdade pra vocês, eu também não fazia a menor ideia que eles existiam... até começar a namorar. E como foi que eu comecei a escutar isso? É uma pergunta meio confusa! Um dia eu fui trabalhar e meu namorado me fez escutar um sobre comida, acabei dormindo no ônibus. Outra vez quando fiquei em dúvida sobre a faculdade ele me mandou escutar um NerdCast de profissões! Agora como eu cheguei até o NerdCast RPG é uma história diferente: recentemente fiz um ano de namoro e como presente dei uma camiseta do Ozob pra ele, eu já tinha ouvido falar e visto algumas coisas sobre ele, mas nada que me chamasse atenção!!! Eis que então resolvi que queria saber a história, então fui atrás do NerdCast sobre ele.
Eu sou uma pessoa extremamente criativa, consequentemente, foi extramente fácil imaginar tudo o que acontecia durante a narração do Jovem Nerd, até porque ele coloca uns puta efeito foda, levando em consideração que escutei de fone de ouvido. E eu juro pra vocês que se tivesse um filme e fosse do mesmo jeitinho que o jogo, eu assistiria! O Cyberpunk acontece num universo futurístico, mais precisamente em Delta City, com cidades altas e cidades baixas e aonde as pessoas precisam andar com guarda-chuvas para não serem atingidas com gotas de esgoto, que gostoso né? A história é sobre um grupo de ladrões e eles invadem uma nave em busca de uma mercadoria misteriosa, mas a transportadora da mercadoria tem um sistema de segurança fodão e que só pode ser aberto por um "talking" mental que fica no cérebro de quase ninguém, ou seja, vão ter que se virar pra cumprir a missão!
Não sei te falar ó pessoa tal é personagem tal, porque como já foi dito, eu só comecei a escutar por curiosidade pelo Ozob, então 'cês me desculpem viu, mas eu posso falar que os personagens da literatura Cyberpunk geralmente são hackers moldados na ideia de herói solitário, aqui eles são mercenários, mas ok! Enfim, eles recebem a missão, que inclusive, pode ser a última da carreira deles, de uma mulher muito gata — na minha imaginação ela foi sim — e junto com a missão eles recebem convites para uma festa, e lá que eles vão achar a pessoa com o talking mental, mas tem um porém: a pessoa é a única que pode abrir o cofre pra eles, mas ou tem que ser de boa vontade ou ela não pode saber, e agora??? Super simples, vamos fazer uma cópia da atividade mental do cara marcado e colocar em um android ué! E aí começa a esculhambação, no bom sentido óbvio. A melhor parte de todo o jogo são os: ô seu babaca, cara babaca, tu é babada cara, babaca, tu é babaca. Ozob é um cara é meio estressado, então não digam que replicantes são robôs perto dele!
Eu confesso que fiquei um pouco decepcionada com o final, eu esperava que o ~artefato~ da missão fosse uma coisa diferente do que o que realmente foi, mas tirando isso — eu fui iludida durante toda a narrativa — é tudibom. Agora, eu vou começar a escutar o Cyberpunk #2: O Passageiro do Futuro e quando eu terminar, conto pra vocês! E antes que eu me esqueça, caso você tenha se interessado, você pode acompanhar a partir do primeiro episódio nesse link ou baixar o aplicativo NerdCast, que é gratuito para todas as plataformas!

2 comentários :

  1. Oie!!
    Conheci seu blog lá no Erro Casual e amei o seu texto!
    Nunca ouvi NerdCast, mas a maneira como você falou que escutou e imaginou a história me deixou muito curiosa, vou até pesquisar!
    Gostei o seu seu blog! Vou seguir :)
    Beeijo

    https://lecaferouge.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, muito obrigada, eu fico muitíssimo feliz que você tenha gostado!!! <3

      Excluir