Top Social

Fluam, Minhas Lágrimas, Disse o Policial (Philip K. Dick)

12 de jan de 2018

Vamos fazer um jogo? Imagine que você é famoso, que têm um programa em horário nobre na TV e que todo mundo te ama. Imagine que você tem uma espécie de caso amoroso com sua melhor amiga, que também é famosa. Agora imagine que você acorda e tudo está normal, exceto pelo fato que ninguém te conhece, ninguém mesmo, nem mesmo essa sua amiga. Ela não faz ideia de quem seja você! Sua carteira de identidade sumiu e não existe nenhuma certidão de nascimento no seu nome. Imaginou? E então, o que você faria?

Para Jason Taverner, essa situação imaginaria não é tão imaginaria assim! Ele é um apresentador de televisão e músico super famoso, como se fosse o Silvio Santos (rico igual, só que mais novo, mais bonito e quiçá mais talentoso!) da vida real. Tudo o que Jason faz vira sucesso instantaneamente, ou virava. Até que o jogo virou e no dia 12 de outubro de 1988, Jason deixou de existir.
Depois de acordar em um quarto de hotel barato, sem saber como chegou lá, e perceber que seu agente, sua namorada e quaisquer outras pessoas do mundo não sabiam quem ele era, Jason também se deu conta de que estava sem os seus documentos, que até o momento eram o único de jeito de comprovar que ele realmente era uma pessoa! 

❝Ele se sentia agora como se tivesse sido capturado por algo que o arrastava para profundezas que nunca conhecera, mesmo nos tempos mais antigos e difíceis. E ele não gostava disso.❞

E as coisas sempre podem piorar: o mundo é regido por um governo em que a polícia tem o papel de oprimir as pessoas, e não de ajudá-las. Até mesmo ser estudante é contra o regime dos pols! Sendo assim, com medo de sair na rua e ser levado para um campo de trabalho forçado, ele se aventura no mundo do crime atrás de identidade falsa para se passar por ele mesmo.


Eu sinceramente não sei o que falar sobre esse livro! Ele foi o meu primeiro contato com o Philip K. Dick, a mais ou menos seis meses atrás, e ainda não saiu da minha cabeça. Entre uma leitura e outra, eu me pego várias vezes pensando nas várias questões existênciais que foram levantadas aqui, mas tem uma delas que não larga do meu pé: o que é ser humano? Quanto mais penso nisso, quanto mais eu reflito sobre a busca da identidade, mais fico longe de qualquer conclusão plausível pra mim mesma.


Deixando toda a minha reflexão de lado agora. Essa é uma história incrível, e não atoa que Philip K. Dick é um dos principais nome no hall de clássicos da ficção científica né mesmo? Aqui ele explora os limites entre o real e o irreal, mas ele só vai explorando, ele não te da uma base pra você ir tateando, e acreditem, isso não é ruim! O Taverner tem mil e uma dúvidas sobre o que está acontecendo e como ele vai escapar dessa, e tudo é feito de um jeito que eu entrei em todas essas dúvidas pra descobrir como as coisas aconteceram. E tenho a impressão que a grande sacada desse livro não é falar o porque de tal situação acontecer mas te falar olhar, foi assim... e você fica sentado no seu cantinho, refletindo.

Eu não existo, ele disse a si mesmo. Não existe nenhum Jason Taverner. Nunca existiu e nunca existirá. Que se dane minha carreira, só quero viver. Se alguém ou algo estiver querendo liquidar minha carreira, o.k, que o faça. Mas não terei permissão para ao menos existir? Sequer nasci?❞

Todos os personagens desse livro são bem construídos, e são altamente explorados, seja só dentro da narrativa ou também de forma psicológica, e isso faz com que todos eles sejam memoráveis. De um jeito bom ou ruim, vai depender do seu olhar sobre cada um. Dito isso tudo, eu só tenho uma reclamação sobre o livro: aqui existem mais diálogos do que descrições, e eu teria adorado saber um pouco mais sobre esse mundo em que os pols subiram ao poder depois de uma revolta estudantil, ou sobre todos os meios que eles encontram de vigiar a população!

Fluam, Minhas Lágrimas, Disse o Policial
Autor: Philip K. Dick
Tradutora: Ludimila Hashimoto
Editora Aleph
256 páginas
Lançado em 2013

6 comentários em "Fluam, Minhas Lágrimas, Disse o Policial (Philip K. Dick)"
  1. Bem diferente e interessante, mas não é o tipo de leitura que me atraia no momento quem sabe futuramente não é? Mas mesmo assim obrigada pela dica.

    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Olá!! :)

    Eu devo dizer que nunca tinha ouvido falar deste livro mas ainda bem que gostaste de fazer a leitura! :)

    E uma pena que as descrições escasseiem, mas acho ótimo que as personagens sejam to bem construídas e exploradas!

    Boas leituras!! ;)
    no-conforto-dos-livros.webnode.com

    ResponderExcluir
  3. OIieee

    Eu não conhecia esse livro mas assim que comecei a ler a resenha com a premissa da história fiquei super intrigada imaginando a atitude do personagem principal para voltar a ser lembrado, a "existir" e fiquei intrigada em saber o que acontecerá. Gostei da dica e da reflexão que traz.

    Beijos

    www.derepentenoultimolivro.com

    ResponderExcluir
  4. Oi Nat, sua linda, tudo bem?
    Eu lembrei de um filme chamado A Rede, em que a personagem também é apagada das redes sociais, inclusive do trabalho e deixa de existir, mas o no filme o contexto é outro. Fiquei muito curiosa para descobrir se ele realmente algum dia existiu, que mundo é esse, ou se é uma trama contra ele. Sua resenha ficou ótima!!!
    beijinhos.
    cila.
    https://cantinhoparaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Oi,
    Bem diferente esse enredo, acho que nunca li nada com esse tema. Estou curiosa será que foi armação de alguém? Ou ele está imaginando tudo isso? Dica anotada. Parabéns pela resenha.
    Bjs.
    Pri.
    http://nastuaspaginas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Heey, tudo bem? Não tenho nem como expressar o quanto amei tua resenha! Eu ainda não conhecia a história mas tudo o que você me falou sobre ela me prendeu do começo ao fim. Se eu fiquei assim com sua resenha, imagina com o livro! Já adicionei na minha lista de leituras! Obrigada pela dica <3
    Beijos
    https://maresialiteraria.blogspot.com.br

    ResponderExcluir